O Judas apaixonado



No ano de 1981 estava eu, vivendo em dois mundos distintos, morando na velha papuda, mas com coração na ceilandia, passava 15 dias interruptos na lida da olaria, e um fim de semana na ceilandia onde dedicava uma parte do tempo para o romance, outra para a boemia (leia-se nas entrelinhas cachaçada). Durante mais ou menos um ano, passei fazendo esse trajeto nômade e previsível. Nesse ano, a sexta feira da paixão me flagrou na ceilandia praticando a quebra da abstinência, e, entre um gole de cerveja ou de cachaça, uns beijos furtivos e umas piadas sem graça surgiu à idéia, sem originalidade nenhuma, de fazermos um Judas. Como é de conhecimento geral, confeccionar Judas em sexta feira da paixão é algo tão previsível como passear por Brasília e encontrar político ladrão. Idéia aceita passamos a dar tratos à bola, para escolher a família que iria, sem saber, receber a visita do Judas. A escolha recaiu sobre uma família que tinha uns membros com mania de casta. Escolha feita, enquanto uma parte da turma se entregou a tarefa de confecção do dito cujo, coube a mim e minha namorada, na época, a missão de redigir a carta de apresentação do Judas para a família sorteada. Essa família, tinha como chefe uma senhora, que vivia rodeada de cinco filhos e duas filhas, sendo o primogênito um sujeito dotado de extrema valentia. Se bem me lembro, à carta ficou mais ou menos assim: Minha cara senhora, desculpe a minha forma abrupta de aparecer no recinto honrado de sua residência, quero que saiba que só o faço dessa maneira, por ter a certeza de encontrar o vosso coração, que deve ser naturalmente dotado dos mais puros sentimentos, ainda mais carregado de nobreza, por estar, ele, tomado pelo espírito da páscoa. E é por isso que eu considero oportuno para mim, esse momento sublime, para declarar o meu respeitoso amor por uma de suas filhas, aquela que já está passando da idade de se casar, o que para mim não significa nenhum problema, tendo em vista o fato de ter eu, uma forte queda por moças maduras. Sendo assim, vou cortar aqui os rodeios, os cerca Lourenço e lhe pedir a mão de vossa filha em casamento. Para que depois do enlace -e só depois do enlace- povoar nosso lar de filhos que serão seus abençoados netinhos. Conto com vossa aquiescência para tornar possível esse meu sonho dourado, e se assim não for, entrego meu corpo para ser malhado e posteriormente queimado, pois sem o amor de sua linda e semi-idosa filha para mim a vida deixará de ter sentido.

Assinado: Judas, um apaixonado por moças maduras.

Judas pronto, carta redigida, aguardamos o anoitecer e na calada da noite, o colocamos com a carta no bolso do terno, postado em pé, na porta da casa sorteada. No dia seguinte de manha, (sábado da aleluia) quem abriu a porta de entrada da casa foi justamente a matriarca que se viu abraçada pelo Judas, diante da surpresa teve uma síncope e quase foi parar no hospital, o filho primogênito dela, andou por um tempo, procurando o autor ou os autores da estripulia dizendo para quem quisesse ouvir: se eu descobrir quem foi, eu mato um por um!

Nós, os autores, ficamos na maior moita - é claro, uns às vezes rindo em conluio de súcia, outros sendo tomados por arroubos de sentimento de culpa por quase ter matado a velha senhora de susto. Mas gratificante mesmo foi ver o esgar de revolta da moça-alvo do amor do Judas, que mesmo tendo entre vinte cinco e trinta anos, devo fazer justiça, era um pitéu de coroa.

Edvair Ribeiro em 22/04/2011

Edvair Ribeiro

Um comentário:

Instagram