Sorte Grande!

A cena se passa em uma sala de uma casa, onde uma senhora de óculos e roupão dorme em frente à televisão. Quando alguém parte a porta, ela acorda assustada e vai atender.



JANE – Oi, Amelina! Eu te acordei? (Extremamente feliz e já entrando na casa)

AMELINA – Olhe bem pra mim. Vê se eu sou mulher de ficar dormindo até uma hora dessas. Isso é coisa pra desculpado. Mas o que você veio fazer em minha casa uma hora dessas?

JANE – Amelina, você não vai acreditar!

AMELINA – O que foi agora, criatura?!

JANE – Eu estava indo comprar pão, quando de repente eu vi um papel no chão. Aí eu peguei o papel. E era um bilhete da loteria. Na volta da padaria, eu passei na lotérica para conferir os números.

AMELINA – Mas, e aí? Você conferiu?

JANE – Sim.

AMELINA – E aí?

JANE – Ah! Advinha!?

AMELINA – Fala!

JANE – Ah! Advinha!?

AMELINA – Fala, peste!

JANE – Ele tava premiado!

AMELINA – Sério?!

JANE – Sério!

AMELINA – E de quanto que é o prêmio?

JANE – Não é muito não.

AMELINA – Quanto?

JANE – Ah! Advinha!?

AMELINA – Quanto?!

JANE – Ah! Advinha!?

AMELINA – Fala logo!

JANE – 100 mil reais!

AMELINA – É realmente não é muito dinheiro não.

JANE – Pois é. Mas tadinha da pessoa que perdeu, né?

AMELINA – Como assim?

JANE – Ah! Deve fazer falta pra ela.

AMELINA – É verdade. É uma pessoa muito necessitada.

JANE – Imagino.

AMELINA – Uma pessoa muito boa.

JANE – Deve ser.

AMELINA – Você não quer se sentar? Quer um cafezinho?

JANE – Agora não. Mas você fala como se conhecesse essa pessoa.

AMELINA – Olha, amiga. Não é querendo jogar um balde de água fria não. Porque você sabe que a gente é unha e carne.

JANE – É verdade. Você vive enfiando as unhas na minha carne.

AMELINA – Que isso, amiga? É tudo brincadeira!

JANE – Eu sei.

AMELINA – Então esse bilhete que você achou é meu.

JANE – O que? Sério? Mas como você foi perder esse bilhete?

AMELINA – Você sabe que eu sou muito distraída. Aí eu deixei cair da minha bolsa. Mas ainda bem que foi uma amigona minha que achou. Né?

JANE – Mas onde foi que você perdeu o bilhete?

AMELINA – Ah... Foi ali... Na padaria...

JANE – Na padaria do seu Maneco?

AMELINA – Sim.

JANE – Pois foi lá que eu achei.

AMELINA – Foi lá na padaria do seu Maneco. Fui guardar o dinheiro do pão e caiu.

JANE – Então se é seu você vai saber qual a cor do bilhete.

AMELINA – É claro. Ele é... Hum... Como é mesmo aquela cor? É que eu sou meio daltônica. É uma cor que lembra...

JANE – Capim?

AMELINA – Verde.

JANE – Capim seco.

AMELINA – Amarelado.

JANE – Isso mesmo. Poxa vida. Amarelado. Você é uma tonta. Como foi perder um bilhete premiado.

AMELINA – Acho que eu tenho um parafuso a menos.

JANE – Mas tem um monte de bilhetes na cor amarela. Como você sabe que esse é o seu?

AMELINA – Ora essa... É por causa... É por causa...

JANE – Dos números?

AMELINA – Isso. É por causa dos números. Afinal eu acertei todos, certo?

JANE – Certo. Mas quais foram os números que você marcou mesmo?

AMELINA – Os números? Ora, Jane, você está duvidando do mim?! Que tipo de mulher você pensa que eu sou?!

JANE – Desculpa, amiga! É só pra saber se os números eram 12, 23, 39, 42, 47.

AMELINA – Jane do céu. Não é que você acertou de novo. Os números que eu marquei eram 12, 23, 39, 42, 47.

JANE – Mas... Mas... Mas como era seu? Você ta brincando comigo, né?

AMELINA – Amiga, você me conhece muito bem. E sabe que eu não iria brincar com uma coisa séria dessas.

JANE – Isso é verdade.

AMELINA – Mas como a gente vai dividir o dinheiro?

JANE – Dividir? Achado não é roubado.

AMELINA – Como não, Jane? Eu quero minha parte. Afinal, fui eu que fiz o jogo.

JANE – Mas fui eu quem achou o jogo.

AMELINA – Mas se eu não tivesse marcado os números certos você não ia achar um bilhete premiado, mas apenas um simples bilhete.

JANE – É verdade, amiga. Eu não posso ser injusta com você. Afinal você nunca iria me passar pra trás.

AMELINA – Claro que não. Então fica metade pra mim e metade pra você.

JANE – Não, amiga.

AMELINA – É verdade. Desculpe minha injustiça amiga. Ficam 70 a 30.

JANE – Bem melhor.

AMELINA – 70 pra mim e 30 pra você.

JANE – Mas amiga...?!

AMELINA – De quanto que é o valor mesmo?

JANE – 100 mil.

AMELINA – 100 mil. Tá vendo? Eu sou tão desligada que tinha até esquecido quanto era. Com 30 por cento, você fica com 30 mil reais. É muito dinheiro, você não acha? E por ser sua amiga, compartilho contigo. Afinal como quem marcou os números fui eu, o prêmio devia ficar todo comigo.

JANE – Todo?

AMELINA – Pois veja bem. Você acha um bilhete premiado. Descobre quem é o dono, no caso eu. Devolve o bilhete. Abre mão do dinheiro. E eu chamo a televisão pra mostrar que ainda existe gente honesta neste país.

JANE – A televisão?

AMELINA – A televisão, amiga. O mundo vai te conhecer pelo seu gesto nobre. Já vejo até nos jornais: “Jane, a altruísta!”

JANE – Nossa, é verdade! Eu vou ficar famosa! Nossa... Amiga... Você é super esperta. Tá bom. Pode ficar com os 100 mil pra você. Que eu fico com o altruísmo pra mim.

AMELINA – Ótimo. Mas cadê o bilhete?

JANE –Tá aqui no meu bolso. (Entrega o bilhete para Amelina)

AMELINA – Ótimo. Ótimo. Mas... Mas... Espera um pouco... Este bilhete não foi pago.

JANE – Não?!

AMELINA – Que tipo de idiota marca os números e não paga.

JANE – Você.

AMELINA – O que?

JANE – Você. Esse bilhete não é seu? Mas, amiga, você é distraída mesmo. Como é que você marca os números e esquece de apostar? Que absurdo.

AMELINA – Cala boca, Jane!

JANE – Mas é verdade, amiga. Agora você ficou sem o seu dinheiro e eu sem o meu altruísmo. O que vamos fazer agora?

AMELINA – Tomar café.

JANE – Ótima idéia.

AMELINA – Então vamos tomar na sua casa.

JANE – Por quê?

AMELINA – Altruísmo... Altruísmo, amiga. (Pega a Jane pelo braço e saem de cena)



FIM



Luciene, Liliane e Júlio César

SuperNovas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram