UMA CANÇÃO BRASILIENSE Por ocasião do aniversário de Brasília



A Niemeyer

A minha vida é sempre assim... É como a flora do cerrado...
São galhos tortos postos sobre estes troncos torturados...
Mas preparei flores pra ti... E frutos bem adocicados...
Cajus, cagaitas e pequis...  Mangas colhidas com cuidado!

Retas perseguem setas e rotas nunca dantes experimentadas...
Eu vi um ângulo impossível furar o vão e virar escada!
Era uma mão ou era uma asa aquela concha tão desvairada?
E aquele vão onde passam vans...?  E aquele voo por sobre o nada?!

E aquele círculo em espiral e aquela curva tão concavada!
E olhem só que palmas esguias! E estas formas enfileiradas...
Esteta louco! Não vê que cai! Este experimento vai dar em nada!
Vejo que ri atrás dos bigodes e da prancheta endiabrada!

E do início até aqui
Lobo guara´sempre acuado
Chego a pensar em desistir!
Querem-me exterminado!
Mas eu persisto em insistir...
Meu território demarcado!
Ó meu amor é para ti 
o meu esforço concentrado...

Paulo Dagomé com imagens de Nilmar Paulo e foto de Edvair Ribeiro.

SuperNovas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram