Domingo no Parque 16/06/13


Domingo no Parque ambiental do Bosque. Movimento sociocultural Supernova. 16/06/13. By Nanah Farias
 O nosso domingo no parque, mais uma vez, foi lindo. Com uma programação pra lá de alternativa, passando por teatro de bonecos, performance poética, dança circular, cover de RPM e quiromancia. A decoração toda feita da reutilização de materiais. A natureza nos brindando com um espetáculo de cores, muita gente bonita, crianças brincando, doação de livros, cama elástica etc. Quem foi, certamente está esperando ansiosamente pelo próximo.



Arthur Dourado. By Isaac Mendes

 Começamos com Arthur Dourado fazendo a sua intervenção musical, voz e violão e um repertório moderno de muito bom gosto: Maria Gadú, Legião Urbana, Clarisse Falcão entre outras. Em seguida, integrantes do Fórum de educação e Direitos Humanos, através de um projeto de protagonismo juvenil e em parceria com a comunidade Bahá’í  apresentaram teatro de bonecos. Lucas, Ângela, Pedro e Ivonildo, todos moradores de São Sebas apresentaram a peça, que é resultado do curso de protagonismo juvenil oferecido pelo Fórum de educação e direito humanos, cuja contrapartida era fazer alguma intervenção social. Obrigado amig@s, por escolherem o Supernova.


Teatro de Bonecos, by Isaac Mendes

Após o transtorno da perda momentânea do rutilante galho seco de Zeca, ele recitou A seca e o inverno de Patativa do Assaré. Gostaria de aproveitar para falar do bullying que alguns integrantes do movimento causam ao meu amigo Zeca por ele gostar de recitar essa poesia. Muitos ainda não ouviram, muitos gostam de ouvir sempre e sempre. Então deixem-no em paz. Assim que ele terminou a poesia, os estudantes da UnB Nanda Pimenta, Lucas Rodrigo e Arthur Dourado também fizeram a sua intervenção poética.

Zeca Oreba

Cênicas UnB

A dança circular com a Beth Parente foi um momento ímpar de integração com a natureza. Antes de começar ela falou um pouco sobre a história do movimento intitulado Danças Circulares Sagradas. Nasceu com o coreógrafo alemão/polonês Bernhard Wosien quando, em 1976, visitou a Comunidade de Findhorn, no norte da Escócia e pôde ensinar, pela primeira vez, uma coletânea de Danças Folclóricas para os residentes. Explicou-nos também que os primeiros povos já dançavam. Se formos fazer um passeio pela a história da humanidade perceberemos que sempre dançamos: para celebrar a colheita, para recepcionar, para fazer guerra etc. A Dança Circular Sagrada não é, portanto, uma invenção dos tempos modernos, pelo contrário, é apenas o resgate de uma prática ancestral muito antiga e profunda, vestida para os tempos atuais.


Beth Parente. by Nanah Farias

Formamos um grande círculo, símbolo universal, que nesses rituais sagrados tem como centro muitas vezes o fogo ou objetos sagrados como talismãs e flores, representando o espaço da comunidade para celebrar rituais de passagem como nascimento, casamento, morte e outros momentos importantes da vida humana.





A Beth primeiramente ensinou passo a passo os movimentos, treinamos um pouco antes, depois dançamos as músicas e aos poucos aceitamos e entendemos a proposta, começamos a internalizar os movimentos, liberar a mente, o coração, o corpo e o espírito, girando aquele círculo como a grande roca do mundo.
O principal enfoque na Dança Circular Sagrada não é a técnica e sim o sentimento de união de grupo, o espírito comunitário que se instala a partir do momento em que todos, de mãos dadas, apoiam e auxiliam os companheiros. Tudo a ver com o que pretendemos para o nosso movimento sociocultural.



Alvorada Voraz. By Isaac Mendes

Houve um pico de energia que paralisou a apresentação durante alguns minutos e Weberson Silva sacou o violão e fez uma serenata para a Tati acompanhado do coro dos presentes.


Weberson Silva

Ao entardecer, William Pimentel subiu ao palco e relembrou as 4 frases do Pono Pono, uma filosofia Havaiana, que no encontro passado, nos comprometemos a usar com maior frequência: Eu te amo, me desculpa, me perdoe, obrigado. Nos dispusemos em grupos de afinidades do triângulo do horoscopo chinês:
·         - O primeiro triângulo consiste nos signos da esperteza - o rato, o dragão e o macaco.
·         - O segundo triângulo, o da correção entre outras características, é composto por - o boi, a serpente e o galo.
·         - O terceiro triângulo, o da autenticidade é composto pelo tigre, cavalo e cão.
·         - O quarto e último triângulo é composto pelos signos guiados emocionalmente - o coelho, a cabra e o porco
Assim iniciamos o assunto sobre quiromancia. Todos ficamos muito interessados em entender sobre essas linhas das nossas mãos. Descobrimos coisas interessantes. Há 5 principais linhas na mão: a da cabeça, a do coração, a da vida, a da saúde e a do destino. A mão esquerda é o destino e a direita (principal) o realizado. Isso para os destros, nos canhotos, inverte. A quiromancia tem uma média de 60% de acerto. Como vai ser muito difícil explicar aqui passo a passo o que nos foi dito, vou postar uma foto que apresenta mais ou menos o básico da quiromancia.


William Pimentel






Agradecimentos especiais à BIOON ECOMERCADO, MICROMIX, BIBLIOTECA DO BOSQUE E A IGREJA ASSEMBLÉIA DE DEUS e a tod@s que escolheram passar essa tarde de domingo com a gente.

Publicado originalmente em Isaac Mendes. Disponível em http://isaacmendessn.blogspot.com.br/2013/06/domingo-no-parque-170613.html. Acesso em 19/6/2013.

Daniel Pereira da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram