São sintomas da idade

Já saí da puberdade
Vede, vós, as minhas cãs
Já não pulo como rãs
Se eu correr, logo me canso
Inda bem que ainda danço
A cabeça, essa anda longe
Mas se o corpo não responde
São sintomas da idade

No espelho, vejo a verdade
Que se me insinua franca:
Eis: minha cabeça branca
Eis: o tempo refletido.
Esse tempo já vivido
(Fio a fio que se me vai)
Só me lembra o meu pai
São sintomas da idade

Não lamento, meu cumpadi.
Completei quarenta agora
(é o tempo que me devora).
E passou como um corcel.
Mas sou dono do pincel
Vou pintar por mais sessenta!
Se reflito aos quarenta
São sintomas da idade


Luiz Cláudio Sena

***

Já chegou a claridade:
A luz foi dada à criança.
Com ela veio a esperança
Com a alegria em coro.
Mas logo se ouve o choro
Daquele tenro vivente,
Lembrando pra sua gente
Que são horas de mamar...
Esses berros que ele dá
São sintomas da idade!

Come, uma barbaridade!
E cresce, e chega à infância,
Com ela também a ânsia
De se tornar buliçosa,
E a criança mimosa
Se transforma num pentelho,
E antes de ser fedelho,
Já é pros pais um tormento...
E esses comportamentos
São sintomas da idade!

Cresce e chega à mocidade,
E lá se foi a inocência,
Pois, em plena adolescência,
Já começa o comichão
Que a Web, a Televisão
Alimentam noite e dia!
O jovem cai na folia
Curtindo sua juventude...
Todas essas atitudes
São sintomas da idade!

Passa pela vaidade,
Pelo fogo da paixão,
Pela força da atração
Que chega a chamar de amor.
Conhece a alegria e a dor,
Maturidade, velhice...
Volta para a criancice,
Por viés de controvérsias...
Todas essas peripécias
São sintomas da idade!


Manoel Lima

***

Toda a dor que me invade
E que, aos poucos, avança
Tirando-me a esperança
E até trazendo mau agouro
Vai-me endurecendo o couro
Vai me anuviando a mente
Enquanto paralelamente
Vai me fazendo lembrar
Tudo que agora se me dá
São sintomas da idade

O sono chega mais tarde
E enquanto a madrugada avança
Ouço choro de criança
E lamento de mãe chorosa
Gritos de mulher idosa
Buzina de fusca velho
Pregadores do evangelho
Na tevê do meu vizinho
Todos esses torvelinhos
São sintomas da idade!

Foi-se a minha mocidade
Mas se serve de consolo
Já não me sinto tão tolo
Quanto nos tempos de outrora
Mesmo assim minha alma chora
Com saudade tão sentida
Da aurora da minha vida
Que os anos não trazem mais
Tudo isso e muito mais
São sintomas da idade!

E isso tanto é verdade
Que vou ficando encurvado
Carrancudo ensimesmado
Chato ranzinza nervoso
Um pouquinho preguiçoso
Viciado em cafuné
Tanto que minha mulher
Caçoa de mim com as amigas
Com um certo ar de intriga:
São sintomas da idade!


Paulo Dagomé

***

Desaforo de menino
último quarto da casa
visitas a Previdência
Fila infeliz na Caixa
dentadura escapando
grosseria da nora
hospital a toda hora
numa só enfermidade
meu amigo, com certeza
isso tudo, no mínimo
são sintomas da idade

hormônios diminuindo
gerando ressecamento
testosterona caindo
disfunção é um tormento
da mocidade nem vestígios
só me sobram vertigens
longe de deflorar uma virgem
um abuso da realidade
bem mais perto a caduquice
isso tudo que vivo
são sintomas da idade

baile, corais e marchinhas
pra acalentar o pensamento
mas o tempo é virulento
este é o grande contratempo
pois depois da mocidade
um tour pelo nordeste
um tanto fora de hora
aumenta mais a saudade
isso tudo, sem antídotos
são sintomas da idade...


Maurício Sena

SuperNovas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram