Random

Eu estava com mil coisas pra escrever mas nada me tocava o suficiente a colocar em uma ordem compreensível. Então, liguei o Windows Media Player e como sempre ela foi a salvadora: lista aleatória. Ela dá o ar de liberdade, de desorganização organizada. De propósito me coloca as 4 músicas que mais gosto de 4 bandas diferentes.

Hole - Violet
03:24


Ela foi tachada como puta, assassina, louca, drogada, péssima mãe... Mas dane-se! Ela é realmente boa no que faz. Voz rouca, potente que coloca muito gutural no chão. Sensualidade e força. No palco ela desmente todas as matérias abusivas que já foram publicadas. Todas as garotas em total harmonia, ao mesmo tempo. GuiadAs por aquela que abriria o carro chefe do Grunge Feminino, Courtney Love, viúva de um dos ícones do Grunge, Kurt Cobain, ex-Faith No More, ex-stripper, já não aguentava levar o Buraco dentro de si, então o expôs com ajuda do guitarrista Eric Erlandeson que encontrou por um jornal. Uma música eletrizante, paralisante, viva, feminina! Caros, não há lugar para frescos no rock 'n' roll. Há lugar para pessoas que não tem medo do que realmente são ou têm (você sendo uma stripper ou não).

Hole
Mais uma Canção - Los Hermanos
04:11


Abriu a cortina do circo e a música, que parece ser tão feliz e singela, traz o drama de um coração partido. O que isso te faz lembrar? Um romance-noir? Um caso incomum? Los Hermanos consegue dar leveza e sutileza a qualquer drama. Um som estranho que enche e preenche o lugar. Tranquiliza e te leva pro centro de um picadeiro. Uma letra sincera e algumas notas simples e a emoção é garantida. Los Hermanos, banda que nasceu pop e aos poucos, quanto mais caiu no esquecimento da mídia, ganhou um público mais fiel. Caros, não há lugar para frescos no rock 'n' roll, mas roqueiros também tem sentimentos. Nem todos comem morcegos.
Los Hermanos
Nothing to Lose - Kiss
03:42


Caras pintadas de preto e branco. Roupas metálicas. Línguas gigantes. Fogo e botas estranhas. Sangue e pintinhos mortos no palco. Uma das bandas mais conhecidas do hard rock americano, Kiss, gravou um acústico na MTV e não se saiu mal. É complicado você ter uma banda relativamente pesada e transformar suas músicas em um acústico que não fique parecido com uma baladinha qualquer. Então chamaram para compor Eric Singer e Bruce Kulick, ambos ex-Kiss. Tinham 3 violões, duas bateras e um baixo. O som certamente não está pesado, mas ainda está vivo. Quando o palco está cheio assim, nasce a pergunta: O que esse tanto de gente vai fazer? Sim, cada um deles trabalham indivualmente para o sucesso da música. Os solos passavam de uma guitarra para outra, de uma batera para outra, sem nenhuma diferença. Foi lindo, "contagiante" e bem trabalhado. Não sei como eles conseguiram ver aquilo ao vivo e sentados. Caros, não há lugar para frescos no rock 'n' roll, mas há para aqueles que enfrentam as frescuras de uma troca de músicos para fazer o melhor.


I just want make love to you - Etta James
03:03

Ah... O Jazz. Entre um rock e outro, o Jazz enche minha alma. Na frente dele, Etta James, a Senhora Jazz, vivaz, forte e densa é sua voz. Entrou com emoção e garra. Num mundo tão preconceituoso, sua voz quebrou barreiras. Única e incomparável, numa música que mostra que nós mulheres também podemos ter "one night stand", ok? Não é uma coisa simples de se dizer em 1961. Apesar da música ter sido escrita por um homem, Etta foi a primeira mulher a gravá-la em disco. Chocante para quem esperava uma música triste e melancólica com uma pegada mais agitada, como eram a maioria dos blues da época. Ela chega sexy, forte, alavancando um pouco de liberdade nas mulheres da época.


Anne K.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram