Johnny e Jimmi X Penetra e cia.



Era sábado... Muitos shows em minha cidade, e um em especial na Ceilândia, um que, se eu perdesse, acho que nem em outra vida compensaria a perda...

Pois bem, o lugar era ao lado da Administração Regional da Ceilândia. O show: "Ferrock 25 anos". A banda em destaque: Johnny Winter. Como quem tem amigos tem tudo, juntou eu, Devana Babu, Gil Willian e Gabriel (CCE) para prestigiar o som do cara, que é simplesmente o cara da guitarra, o manda-chuva do blues, o Jimmy Hendrix branco e velho, porém vivo e desossando cada casa da sua guitarra, em cada nota, em cada tom, em cada riff, um mais penetrante que o outro.

Era quase 00h00min quando nosso querido John Dawson Winter III levantou-se da cadeira. A galera batia palmas e gritava. Os que já não tinham voz, assobiavam. E nosso coroa do blues levantou-se e foi em direção ao canto do palco. Parecia uma despedida. É, realmente, parecia, mas não era. Ele torna ao centro do palco, com outra guitarra, saca uma dedeira, e começa outra seção mais excitante que a anterior. Devana Babu... Hum! Esse menino faltou chorar ao ver aquele coroa destrinchar aquela guitarra com tal facilidade.

Logo após o show do Johnny Winter, aguardamos a banda Elffus tocar. Depois de ouvir novas baladas, e curtir clássicos como Jezebel, partimos em direção ao Jardim Botânico VI. Festa: Preserve Amazônia, balada VIP, cheio de nomes importantes, como Kiko Perez e Ricardo Matos. E se você que acompanha as aventuras do Penetra não se ligou nas palavras que eu disse no segundo parágrafo, se liga agora... Ao chegar à balada, demos de cara com uma bilheteria que queria realmente salvar a Amazônia. Estavam cobrando R$ 35,00 para cada pessoa entrar. Como a festa já estava bombada, vimos que a Amazônia já estava salva, e que não precisaríamos ficar com peso na consciência, de entrar de penetra em uma festa com um tema tão nobre.

Chegamos às portas de entrada do evento. Fizemos alguns telefonemas, e, como quem tem amigo tem tudo, não demorou muito para quatro cortesias passarem por nossas mãos.

Entramos. A trilha sonora era coisa de cinema, mas tipo aqueles cinemas com Double Digital. As mulheres eram lindas, perfumadas e algumas muito embriagadas, porém simpáticas. O ambiente muito lindo, bastante convidativo, e o som que estava salvando a Amazônia era dele, do Johnny Winter Preto. É, ele mesmo! Vocês estão duvidando, né? Pois bem, Kiko Perez, Ricardo Matos e cia. fizeram um lindo e maravilhoso tributo a Jimmi Hendrix para salvar nossa Amazônia.

Ouvindo Fire e comendo um saboroso crepe de peito de peru junto a Devana Babu, em plena 03h45min da madruga, notei que não é tão ruim assim ser burguês, tipo ter uma casa boa, fazer uma festa com som bom, iluminação excelente, só com pessoas bonitas e educadas, ouvindo música boa e sorrindo à toa. E foi nesse momento de reflexão que escutei meu amigo Devana Babu comentar: "Eu amo a burguesia"... kkkkkk....

E assim encerramos mais uma aventura do Penetra. E, para finalizar, quero concluir as palavras do meu nobre amigo Devana Babu...

É isso aê, meu brother, principalmente as burguesas... kkkkk..

O PENETRA

Um comentário:

  1. foi lindo o show do jimi. Logo quando chegamos ele estava terminando a última canção e começou a tocar Little Wing. foi como mágica. ainda bem que eu não acredito em coincidências. fui pra frente imediatemente. logo depois fire. Stone Free. aí pra me destruir de vez ele tocou red house... colei meus ouvidos nas caixas de som... é assustador. eu nunca vi nenhum cover de Jimi Hendrix, mas eu sei que esse é um dos melhores, porque o cara era simplesmente perfeito. pra derrubar o barraco de vez ele tocou purple haze, e desceu do palco e tocou no meio do público. os burgueses foram à loucura. aí ele foi embora. ninguém pediu biz kkk... mas ele voltou. e tocou o que? VOODOO CHILD! morri!

    ResponderExcluir

Instagram